(2016) Take a Deep Breath

Refletindo com mais profundidade sobre a própria linguagem, a Jorge Garcia Companhia de Dança vem agora, depois de completar 10 anos de pesquisa continuada, propor um mergulho mais profundo nas relações que cada integrante da equipe estabelece com seus pares e com o espaço, colaborando ativamente com um processo de criação que busca fazer do próprio labor cotidiano a construção de uma obra. Esta é a proposta de “Take a Deep Breath”, que extrapola os limites do que é ou não é cena, buscando o entendimento de uma qualidade de presença que surge do próprio contexto no qual o trabalho é produzido

 

Ficha Técnica

Direção e Coreografia: Jorge Garcia

Assistencia de Direção: Edson Fernandes

Interpretação e colaboração: Jorge Garcia, Marina Matheus, Natasha Vergilio, Rafi Sahyoun, Willy Helm

Ambientação Sonora: Eder O Rocha

Design de Luz: Ari Buccioni

Cenário: Jorge Garcia/ Intervenão Artistica: Rabiscos – Edson Fernandes

Assessoria de Câmera e Vídeo: Paulo Uras Neto e Joaquim Tomé

Produção Executiva: Bufa Produções – Aline Grisa

Design Gráfico: Sonaly Macedo

Registro Fotográfico: Silvia Machado

Duração: 60´

Classificação: 14 anos

 

(2014) Copyleft

Copyleft, sob direção artística e concepção do coreógrafo Jorge Garcia, gira em torno do seguinte significado: o direito de permissão de cópia de uma obra por outros usuários, dando a liberdade de copiar, modificar e redistribuir, exigindo que esse direito seja mantido em todas as versões modificadas.

A coreografia compõe-se de sete solos de sete bailarinas – três delas da Jorge Garcia Companhia de Dança (Amanda Raimundo, Marina Mateus, Natasha Vergilio) e quatro do Balé da Cidade de São Paulo (Camila Ribeiro, Irupé Sarmiento, Kênia Genaro, Marisa Bucoff)

 

Ficha Técnica

Concepção e Coreografia: Jorge Garcia

Intérpretes criadores: Amanda Raimundo,
 Camila Ribeiro,
 Irupé Sarmiento, 
Kênia Genaro, 
Marina Matheus, 
Marisa Bucoff e 
Natasha Vergilio

Colagem musical: Joaquim Tomé

Cenário: Jorge Garcia (Assessoria de Leo Ceolin)

Design de luz: Jorge Garcia (Assessoria de Ari Buccioni)

Produção Executiva: Bufa Produções – Aline Grisa

Registro Fotográfico: Silvia Machado, Joaquim Tomé e Gustavo Lemos

Vídeo e projeção: Joaquim Tomé

Duração: 49´

Classificação: Livre

 

imprimatur

(2014) Imprimatur

Imprimatur (em latim, “pode ser impresso”) é uma declaração oficial da Igreja Católica, que diz que um trabalho literário ou similar não vai contra as idéias da igreja e que é uma boa leitura para qualquer católico.

Nessa obra o diretor e coreógrafo Jorge Garcia buscou imprimir nos corpos, no espaço, na estética e na música uma linguagem artística inquietante e singular. Jorge revisita sua trajetória e reflete sobre a seleção e legitimação de uma expressão artística. Essa nova criação retrata a atual fase do diretor e coreógrafo que tem se dedicado a dialogar com a dança, seus espaços expositivos e outras manifestações artísticas. Todos os aspectos deste espetáculo foram criados por artistas conceituados, das mais variadas vertentes estéticas, que fazem jus ao amadurecimento da linguagem proposta pela Cia.

 

Ficha Técnica

Direção: Jorge Garcia

Elenco: Amanda Raimundo, Carolina Sudati, Fernando Martins,

Henrique Lima, Jorge Garcia, Marina Matheus, Natasha Vergílio e Willy Helm

Trilha Sonora, Direção Musical e Violoncelo: Domos Goudaroulis – improvisação livre sobre Domenico Gabrieli – Ricercari per il violoncello solo

Operação eletroacústica: Aquiles Guimarães

Cenário: Estudioscópio (Leo Ceolin)

Design de Luz: Ari Buccioni

Figurinos: João Pimenta

Produção Executiva: Bufa Produções – Aline Grisa

Registro Fotográfico: Silvia Machado

Design Gráfico: Sonaly Macedo

Coordenação do Livro Digital: Cide Piquet

Colaboradores do Livro Digital: Carolina Sudati, Marina Matheus e Karina Ka

Duração: 70´

Classificação: 16 anos

 

Balé-da-Cidade-de-São-Paulo

(2013) Divinéia

Balé da Cidade de São Paulo – 2001

Divinéia é o nome dado pelos presidiários da Casa de Detenção de São Paulo ao pátio amplo, em forma de funil, onde fica a sala de revista corporal. Antes do acesso aos pavilhões, é preciso levantar os braços diante dos revistadores. A partir dessa descrição, procura-se mostrar no palco a convivência entre homens encarcerados, utilizando para isso uma fusão entre técnicas de dança contemporãnea, artes marciais e as várias culturas coesistentes no universo prisional”.

Mais do que a constrangedora realidade presidiária, o que se manifesta é um pulsar de um mundo menino, as várzeas alagadas, transformadas em campos de futebol, do grande Recife onde Jorge viveu sua infância.

 

Ficha Técnica

Concepção e Coreografia: Jorge Garcia

Ensaiador: Marisa Bucoff

Elenco: Jorge Garcia, Willy Helm, Henrique Lima, Fernando Martins, Edson Fernandes, Jerônimo Bitttencourt e Alexandre Magno

Música: Colagem musical sobre temas de Suba, Cordel do Fogo Encantado, Finley Quaye e DJ Dolores

Cenário e figurino: Jorge Garcia

Duração: 50 minutos

Classificação: Livre

 

(2013) Imprimi Potest

Imprimi Potest (“pode ser impresso”, em latim) é a aprovação oficial de uma autoridade superior da Igreja Católica (ou de seu representante) para que uma obra escrita por um membro de uma ordem religiosa seja publicada.
A partir de seu solo Nihil Obstat*, Jorge Garcia transpõe para os corpos de seu elenco um desafio constante neste trabalho, que atenta para a liberdade e a possibilidade de transformação em cada lugar e a cada momento. Através do improviso, os intérpretes se utilizam tanto de determinados elementos cênicos estruturais, sonoros e físicos quanto de certos princípios coreográficos, conceituais e dramatúrgicos presentes na versão solo para investigar e reestruturar o ambiente cênico.

 

Ficha Técnica

Direção e Coreografia: Jorge Garcia

Assistência de direção: Irupé Sarmiento

Elenco: Giuli Lacorte, Irupé Sarmiento, Jorge Garcia, Marina Matheus, Natasha Virgílio, Rafaela Sahyoun

Design de Luz: Ari Buccioni

Improvisação Sonora: Eder “O“ Rocha

Cenário e Figurino: Jorge Garcia

Design Gráfico: Sonaly Macedo

Registro Fotográfico: Silvia Machado

Produção Executiva: Bufa Produções – Aline Grisa

Duração: 60 min

Classificação: Livre

 

(2013) Rotatória

 

Colando as partes

Recriando o mundo explodido

A criança no pós guerra

Tentando reorganizar o mundo

E

Criando um bicho novo

Estruturas e combinações impensadas

O animal de trezentas costelas

Gaiola óssea

Onde dentro brinca um homem

Como num parque de diversões.

Patricia Gifford

 

Sinopse

Um homem chega sozinho numa rotatória.

A rotatória pra ele simboliza o mundo e nela, ele construirá um universo abstrato com ossos de animais de tamanhos desproporcionais.

Sua relação com estes objetos será o mote de desenvolvimento da performance, inspirado nas imagens do artista plástico Slinkachu no livro “Little People in The City”

 

Ficha Técnica

Direção e dramaturgia: Rogério Tarifa

Coreografia e interpretação: Jorge Garcia

Cenografia: Ateliê La Tintota

Figurino: João Pimenta

Trilha sonora: Ramiro Murillo

Registro Fotográfico: Silvia Machado

Design gráfico: Sonaly Macedo

Produção Executiva: Bufa Produções – Aline Grisa

Duração: 50 min

Classificação: Livre

 

(2012) I Suite para Violoncelo solo de J. S. Bach

A partir do projeto Logo-Diálogos, idealizado por Dimos Goudaroulis, primeiro violoncelista a gravar as 6 Suítes de J.S Bach, seguindo o manuscrito de Ana Magdalena Bach. Surge a proposta de unir a genialidade do compositor com o virtuosismo do coreógrafo Jorge Garcia e bailarinos da Jorge Garcia Cia de Dança Contemporânea, buscando expressar através do corpo todos os segredos, símbolos e argumentos que a obra musical sugere, gerando diferentes abordagens e interpretações possíveis pelo movimento. A 1a. Suíte para Violoncelo Solo de J.S Bach, mergulha na criação do universo, onde o músico e a música, tocada ao vivo, estão no centro e os bailarinos dançam em espiral à sua volta, com movimentos inspirados na rotação do universo e na dinâmica de seus dedos esquerdos.

 

Ficha Técnica

Direção e Coreografia: Jorge Garcia

Criação do Projeto Logo-diálogos e violoncelo: Dimos Goudaroulis

Trilha sonora: 1a Suíte para Violoncelo Solo de J.S. Bach

Assistência de direção e ensaiador: Edson Fernandes

Elenco: Amanda Raimundo, Jorge Garcia, Willy Helm, Natasha Virgílio, Marina Matheus e Rafaela Sahyoun

Criação original de iluminação: Joyce Drummond

Adaptação de iluminação: Ari Buccioni

Cenário e Figurino: Fábio Namatame

Design Gráfico: Sonaly Macedo

Registro Fotográfico: Silvia Machado e Eliana Souza

Produção Executiva: Bufa Produções – Aline Grisa

Duração: 50 min

Classificação: Livre

 

(2012) Caixa de Vidro

“Acredito que isso seja mais sobre vida do que sobre palco.
Sobre como nos comunicamos silenciosamente com o contexto no qual estamos inseridos, como nossos olhares se encontram (ou não), como nossos movimentos falam mais que nossas palavras e também sobre como vivemos em uma corda bamba, amordaçados e expostos a todo tipo de tensão que uma realidade complexa como a dos dias de hoje nos impõe.

Talvez seja sobre como estamos a mercê do espectador que nos olha através da vitrine. Ou seriamos nós os espectadores? Talvez a reflexão seja: “de que lado do vidro a vida acontece de verdade? Até onde somos bicho e até onde somos gente? E qual a diferença entre os dois mesmo?”.

Calçadas são palcos e, às vezes, palcos são túmulos. A arte precisa ver pessoas, daí a busca por lugares novos, novos horizontes, voltar maior pra dentro de si e gritar ao mundo – sem se preocupar em quais notas – que se está vivo.

Dançar é sentir e sentir é entender com o coração. Enfim, como já disse antes, acredito que isso seja mais sobre vida do que sobre palco.”

EMICIDA

 

Ficha Técnica

Direção Geral: Jorge Garcia

Intérpretes Criadores: Amanda Raimundo, Lina Gómez, Natasha Vergílio, Martina Sarantopoulos, Jerônimo Bittencourt, Edson Fernandes, Mariana Molinos, Fernando Oliveira, Mariza Virgolino, Carolina Sudati e Fernando Martins

Trilha Sonora: Fernando Oliveira e Fernando Martins

Cenografia e Assessoria Geral: La Tintota

Execução Cenográfica: Pigari Cenografia

Figurino: Carolina Sudati e Natasha Vergilio

Design de Luz: Ari Buccioni

Design Gráfico: Sonaly Macedo

Registro Fotográfico: Silvia Machado

Registro de video: Osmar Zampiere

Produção Executiva: Bufa Produções – Aline Grisa

Duração: 120′

Classificação: Livre

 

(2010) Área Reescrita

O espetáculo estuda as possibilidades de diálogo com o entorno urbano e experimenta reescrever espaços e narrativas, tendo como proposta inicial a saída das salas de ensaio e a investigação da cidade.
Com autonomia para dar vazão aos próprios movimentos e instintos, os integrantes da companhia realizaram ações em diferentes espaços urbanos, transformando a cidade e seus (re)cantos em cenários improvisados para depois ressignificá-los no espaço cênico.

 

Ficha Técnica

Direção e Coreografia: Jorge Garcia

Assistente: Natália Mendonça

Intérpretes Criadores: Amanda Raimundo, Cristiano Bacelar, Edson Fernandes, Jerônimo Bittencourt, Lina Gómez, Martina Sarantopoulos, Natália Mendonça, Natasha Vergílio, Patrícia Bergantin e Suzana Ruiz

Direção Musical: Jorge Peña

Edição de Trilha: Henrique Lima

Design de Luz: Ari Buccioni

Registro de foto: Silvia Machado

Cenário e Assessoria Geral: La Tintota

Consultoria de Figurino: Carla Kubrusly

Produção Executiva: Bufa Produções – Aline Grisa

Design Gráfico: Sonaly Macedo

Duração: 70′

Classificação: 18 anos

Áreas Reescritas:
Centro Cultural Rio Verde – SP
Centro Cultural São Paulo – SP
Teatro Oficina – SP

 

(2010) O mesmo lugar de sempre

Quatro seres aprisionados em um espaço delimitado por sua própria estrutura, à espera de alguém ou alguma coisa. Vivendo no mesmo lugar com as mesmas pessoas, num ambiente onde as sensações de desejo, esperança, tensão e angústia insolúveis acabam por estabelecer uma sociedade com regras e deveres próprios, os personagens nos levam a reflexões sobre as semelhanças dessa realidade com o nosso próprio sistema, traduzindo essa espera e conflitos constantes em seus movimentos e dramaturgia. Incorporando a sonoridade de uma peça televisiva (He Joe) e o romance (Primeiro amor) de Samuel Becket, este trabalho constrói um ambiente psicológico, tendo a solidão como seu foco principal.

 

Ficha Técnica

Direção e Coreografia: Jorge Garcia

Ensaiador: Edson Fernandes

Elenco 1: Jerônimo Bittencourt, Jorge Garcia, Amanda Raimundo e Willy Helm

Elenco 2: Amanda Raimundo, Marina Matheus, Natasha Virgílio e Rafaela Sahyoun

Trilha Sonora: Pedro Moreira

Design de Luz: André Boll

Cenografia: Ateliê La Tintota

Figurino: João Pimenta

Direção Técnica: Ari Buccioni

Produção Executiva: Bufa Produções – Aline Grisa

Design Gráfico: Sonaly Macedo

Registro Fotográfico: La Tintota

Registro de Vídeo: Osmar Zampieri

Duração: 50′

Classificação: Livre